Sábios conselhos …

dados por pacientes terminais.

Apesar da sensação de o tempo estar cada vez mais escasso, na via oposta tenho a sensação de ter muito tempo para consertar relações, arrumar a vida que está meio torta, melhorar o físico, o trabalho,  a mente e o espírito. Assim os planos e projetos vão se somando enquanto a rotina engole tudo.

Muito inspirado estava John Lennon quando disse Vida é aquilo que acontece enquanto você está fazendo planos.

Uma enfermeira da Austrália chamada Bronnie Ware reuniu em um livro chamado The top five regrets of the dying (“Os cinco principais arrependimentos de doentes terminais”, traduzido no Brasil como “Antes de partir”), o que os pacientes que ela cuidava, todos em estágio terminal, teriam feito de diferente em suas vidas.  Descobriu os 5 maiores arrependimentos em comum.

antes_de_partir

Fornecem um bom momento de reflexão pois desde o dia que nascemos, a única certeza que temos é a de que vamos morrer. Um dia esse dia vai chegar, mas agimos como se estivesse loooooonge. Mas e se você soubesse que nao tem mais todo o tempo do mundo ?

Os maiores arrependimentos:

Primeiro:maiores-arrependimentos-antes-de-morrer-1

Arrependimento mais comum. É fácil perceber, quando não se tem mais tempo, os sonhos que foram abandonados pelo meio do caminho. Isso traz sensação de amargura e frustração. Na verdade a maior parte dos impedimentos de ter a vida que desejamos é causado por nós mesmos.

Segundo:

maiores-arrependimentos-antes-de-morrer-2   Ter tido mais dinheiro não é algo mencionado por pessoas no fim da vida, na verdade bens materiais em geral não são lembrados. As maiores lembranças são relacionadas as pessoas e momentos. Então do que adiantou ter trabalhado tanto e perdido convívio com família e amigos ? Esse é um grande arrependimento sentido no fim da vida. No fim das contas, tudo refere-se a como o tempo é empregado, aproveitado e vivido.

Terceiro:

os-maiores-arrependimentos-antes-de-morrer

   Em nome da paz e do bom convívio muitas pessoas guardam para si o que realmente sentem ou gostariam de falar. A amargura e o ressentimento carregados podem causar doenças. Não podemos controlar as ações e reações dos outros, somente a nós próprios. Cada um exerce o caráter e a dignidade que têm. Não dá para se fazer nada a respeito.

Quarto:

os-maiores-arrependimentos-das-pessoas-antes-de-morrer   Ah, a vida corrida… como encontrar tempo para manter os amigos? Pois não ter mantido contato com grandes amigos foi um dos grandes arrependimentos mais citados. Segundo Bronnie, a ausência de amigos é sentida no fim da vida e trouxe arrependimentos profundos a alguns dos pacientes.

Quinto:

arrependimentos-antes-de-morrer  Pode parecer até meio óbvio e muita gente não percebe mas ser feliz pode ser uma opção de escolha. Ficaram presos a velhos padrões e hábitos. O medo da mudança não deixou esses homens e mulheres terem a chance de experimentar novas situações, de VIVEREM tudo aquilo que gostariam e realmente poderiam. Poucos têm no leito de morte a sensação de paz de terem feito tudo o que podiam ou o que quiseram.

   A vida é feita de escolhas e estas devem ser feitas conscientemente, com sabedoria. Aproveite seu tempo da melhor maneira possível. Tente imaginar o que você realmente gostaria de fazer, o que traria felicidade, o que seria realmente importante se você tivesse mais um ano de vida apenas. Nos colocar em uma situação extrema nos permite excluir pessoas e situações que não trazem felicidade, alegria, paz e fazer escolhas mais acertadas, no caminho certo.

 

Bronnie Ware

Bronnie Ware

Domine os primeiros momentos do dia

Não me canso de ouvir as pessoas comentando a sensação de que o tempo está cada dia mais escasso, voando.  Se o final do ano já está aí, segunda-feira parece que aparece bem no meio da nossa cara, como uma pop-up malvada e acordamos com a péssima sensação de  já estar atrasados.

É levantar pular da cama, quase no susto, com vontade de ficar só mais 5 minutinhos…. E aí, pernas e braços para que te quero. Mal dá tempo de se arrumar e comer. Não temos tempo a perder, temos um dia inteiro pela frente, esperando para ser conquistado é frequente  desenrolar-se uma sequência de atropelos e bagunça. Os americanos têm um nome pra isso: “Bad Hair Day”, ou dia de cabelo ruim. Sabe aquele dia em que o cabelo parece estar indomável, não fica bom nem pra lá nem pra cá? Eles dizem que dia que começa assim, tudo parace dar errado. Pois é.

BadHairDay

Tem  tido muitos “Bad Hair Days”? Algo parece não estar certo. Então quero te convidar a experimentar acordar mais cedo, 15 minutos (sim, é difícil sair da cama mais cedo quando se quer ficar 5 minutos a mais. Vá dormir mais cedo. Eu sei, seu dia é tão cheio, tantos afazeres… Que tal ficar um pouco menos em frente a TV/ internet/ redes sociais e melhorar sua qualidade de vida ?) e inspirar profunda e vagarosamente, agradecer pela noite reparadora , fazer suas orações – se for o caso – e programar como será seu dia? O ideal seria escrever sua programação mas ao menos faça isso mentalmente. Ponha energia nisso. Se anda muito estressado ouça uma música calma, se pelo contrário precisa de energia, ouça algo alegre e animado. Tente pensamentos como ” O dia hoje será produtivo” ou “Hoje manterei a calma”, coisas assim. Durante o dia o cérebro vai lembrar disso e sua disposição/ humor só a ganhar. Um dia bom atrás do outro fazem semanas melhores, meses mais calmos e produtivos, anos com mais sentido…. Uma vida é feita de muitos dias, não é ?

quero-mudar-de-vida-foto

Para aqueles que gostam de orar, quero compartilhar uma linda oração para o começo do dia:

Oração da manhã

Senhor, no início deste dia,
venho pedir-Te saúde,
força, paz e sabedoria.

Quero olhar hoje o mundo
com olhos cheios de amor,
ser paciente, compreensivo,
manso e prudente;
ver, além das aparências,
teus filhos como Tu mesmo os vês,
e assim não ver senão o bem em cada um.

Fecha os meus ouvidos a toda a calúnia.
Guarda a minha língua de toda a maldade.
Que só de bênçãos se encha o meu espírito.

Que eu seja tão bondoso e alegre,
que todos quantos se aproximarem de mim,
sintam a tua presença.

Senhor, reveste-me da tua beleza,
e que, no decurso deste dia,
eu Te revele a todos. Amen.

 

 

Qualidade de Sono X Qualidade de Vida

Well my friend, você, eu e todo o  mundo sabemos que dormir bem é importante. Mas e quando, seja lá por que motivo for, não conseguimos dormir bem?

Ficar sem dormir faz muito mal!

Ficar sem dormir faz muito mal!

Às vezes, pelo trabalho ou pelo estudo, precisamos reduzir as horas de sono ou até mesmo ficar um dia sem dormir para conseguir finalizar algum compromisso. Ocasiões pontuais existem e não vamos entrar no mérito que a maior parte desses eventos poderiam ser evitados se não tivéssemos o terrível hábito de deixar para os 40 do segundo tempo…

Quanto uma noite mal dormida pode influenciar seu cotidiano? E noites seguidas? Já pensou como seria passar anos sem dormir direito? Isso acontece com algumas pessoas. E pode ser a raiz de diversos problemas.

Em uma pesquisa, especialistas do sono da Faculdade de Medicina da Universidade de Pittsburgh chegaram à conclusão que a falta de pelo menos 6 ou 7 horas dormindo traz diversas consequências negativas para o organismo. É um fator agravante para casos de depressão, além de prejudicar o humor, a memória, raciocínio, sensibilidade à dor, resistência imunológica, apetite, metabolismo. Os riscos de doenças cardiovasculares e de derrame são mais altos nas pessoas que dormem menos de seis horas por noite, assim como foi detectado um  risco aumentado de pólipos colorretais potencialmente cancerosos, segundo  estudo com 1.240 pessoas conduzido por pesquisadores da Universidade Case Western Reserve, Cleveland.

Até mesmo uma única noite de sono inadequado pode causar elevações durante o dia da pressão nas pessoas com hipertensão.

Segundo uma pesquisa da Universidade de Warwick na Inglaterra que analisou os hábitos de quase 500 mil pessoas nos Estados Unidos, Japão, Suécia, Alemanha, além da própria Inglaterra. Os dados, publicados pelo European Heart Journal apontam que pessoas com esse perfil têm até 48% de chances de ter algum tipo de ataque do coração e até 15% de sofrer um derrame.

Já a pesquisa feita pela Leiden Medical Centre da Holanda concluiu que a diabetes tipo 2 está intimamente ligada à má qualidade do sono.

Ok, sabemos que dormir pouco faz mal mas tive contato com dois casos que me fizeram perceber na prática as consequencias de não dormir bem. O curioso é que em ambos os casos, as pessoas não sabiam que não dormiam bem… E isso afetava e muito a vida delas.

Desde que me lembro minha mãe tem um sono leve, acorda super fácil. Há alguns anos ela começou a ter uma dor no “fundo do olho” que não passava e junto trazia uma nada agradável dor de cabeça. Ela foi algumas vezes ao oftalmo, insistindo que tinha algo errado. Fez exames. Nada. Como meu irmão e eu já não moramos com meus pais, ela às vezes ia dormir em nossos quartos, quando meu pai estava cansado, roncava e ela não queria acordá-lo. Então ela foi percebendo que quando dormia sozinha quase nunca tinha dor. Foi testando, testando até descobrir que a dor no olho era por dormir pouco/mal, quando meu pai roncava. E o mais assustador, ela descobriu que não tinha sono leve, é que não dormia profundamente.

O outro caso é um pouco mais extremo e ilustra muito como dormir mal prejudica a vida de uma pessoa em diversos sentidos. O marido da minha amiga Juliana sabia que não dormia bem mas não sabia o motivo e nem desconfiava das consequencias desastrosas. Quem investigou e descobriu foi o psiquiatra, que estava buscando as causas de crises de ansiedade e do pânico. A péssima qualidade do sono dele estava realmente afetando sua vida. Além é claro, de agravar as crises de ansiedade, deixava-o com alterações de humor bem intensas, trazendo prejuízos nas relações de trabalho e pessoais. Ele também ficava tenso, com dores na região do pescoço, que acabava sendo um agravante e um combustível para esse ciclo sem fim. A razão? Um desvio de septo! Ele acabava dormindo de boca aberta, a boca ressecava, ele acordava. Uma cirurgia simples resolveu não um, mas vários problemas que estavam trazendo prejuízos reais em vários aspectos de sua vida.

E você, dorme bem? Dorme realmente bem? Seja sincero consigo mesmo e se você não dorme como deveria, descubra as razões e faça o possível para corrigir esse problema e ter horas de sono satisfatórias. Dormir mal pode minar sua energia, seu foco e concentração, que são fundamentais para quem quer mudar de vida. Sua qualidade de vida pode melhorar consideravelmente.  Já pensou se tudo o que você precisa para mudar sua vida é corrigir seu sono? Vale a pena investigar sua qualidade de sono.

Boa sorte!

 

 

Sair da bolha

O tempo passa, a gente se acomoda… Dá uma preguiça de mudar, de recomeçar. Quando percebemos estamos numa vida morna, aquela que tem eterna cara de segunda-feira.

Pode ser um relacionamento que não ata nem desata, pode ser o emprego que não dá prazer, uma carreira que não faz sentido, um estilo de vida que não nos representa.  Às vezes é tudo isso junto.

A coragem para mudar é o que pega. Nos acomodamos no conhecido enquanto seguimos reclamando do que é, e imaginando o que poderia ser.

” A importancia de sair da bolha”, por Ots e Anderson Araujo é mais uma palestra interessante organizada pela TEDx Brasil e me lembrou de como vale a pena enfrentar nossos medos e ansiedades, sair da zona de conforto, ir atrás do que realmente gostamos e mudar a vida. Agindo ou não agindo, o tempo passará do mesmo jeito.  Eu quero que minhas bolhas se explodam! Quero Mudar de Vida!

Imagem de Amostra do You Tube

 

 

Mudando um Hábito – Livro O Poder do Hábito – Parte 2

No outro post, a parte 1 sobre o livro O Poder do Hábito, falei um pouco sobre como o autor explica o funcionamento dos hábitos.

Livro O Poder do Hábito

Livro O Poder do Hábito

Nesse post, vou fazer um resumo de como o autor ensina a identificar as deixas de um mau hábito e substituir por outro. Para não perder o clima de pesquisa séria, vamos começar com ratos, e um laboratório, nesse caso de uma das mais conceituadas universidades dos EUA, o MIT.

Os experimentos feitos pelos pesquisadores do Departamento de Ciências Cerebrais e Cognitivas a partir dos anos 90, feitos através da análise da imagem do cérebro de ratos, puderem explicar como os hábitos desenvolvem-se no interior de nossas cabeças. E esse passo é importante para quebrar o ciclo de um mau hábito.

O autor explica de uma maneira que fica bem fácil de entender: Imagine o cérebro como uma cebola, formado por camadas. No fundo dessa complexa cebola estão as estruturas mais primitivas e são as responsáveis por controlar os comportamentos automáticos, como respirar e engolir. No centro do crânio existe uma espécie de nó de tecidos e tem o nome de gânglios basais.

É claro que ratos em laboratório devem envolver labirintos e nessa experiência não é diferente. A atividade cerebral dos bichinhos foi observada em todas as centenas de vezes em que eles procuraram chocolate em um labirinto. E o resultado da observação foi que a medida que cada rato aprendia a se orientar no labirinto, a atividade cerebral diminuía. Quanto mais o caminho se tornava automático, menos os ratos pensavam. Com o passar das semanas, os ratos corriam pelo labirinto chegando diretamente ao chocolate. Graças aos gânglios basais! São eles que armazenam os hábitos enquanto o resto do cérebro parece “adormecer”.

Os hábitos, dizem os cientistas, surgem porque o cérebro está o tempo todo tentando poupar esforços. O processo dentro dos cérebros é um loop de três estágios, Primeiro, há uma deixa, um estímulo que manda o cérebro entrar em modo automático, e indica qual hábito deve usar. Depois há a rotina, que pode ser física, mental ou emocional. Finalmente há uma recompensa, que ajuda o cérebro a memorizar este loop para o futuro.

A descoberta do loop do hábito é importante porque explica que quando um hábito surge, o cérebro entra no automático e deixa de ter ações completamente conscientes. Se aprendermos a criar novas rotinas neurológicas, assumimos o controle do loop e assim hábitos nocivos ficam em segundo plano.

As rotinas podem ser muito complexas ou incrivelmente simples. As recompensas podem variar desde comida até drogas.

- Implementando novos hábitos:

Se você quer começar a correr toda manhã, é essencial que escolha uma deixa simples (como separar a roupa na noite anterior ou trocar-se antes do café da manhã) e uma recompensa clara como uma guloseima no meio do dia ou registrar seus quilómetros (senso de realização). porém, estudos demonstram que uma deixa e uma recompensa não são suficientes para que um hábito dure. Só quando o cérebro começar a nutrir uma expectativa pela recompensa. A deixa, além de deflafrar uma rotina, também precisa deflagrar um anseio pela recompensa.

- Identificando e substituindo um hábito:

Se você usa a mesma deixa, e fornece a mesma recompensa, pode trocar a rotina e alterar o hábito. Quase todo comportamento pode ser transformado se a deixa e a recompensa continuarem as mesmas. Essa regra já influenciou tratamentos para alcoolismo, obesidade, transtornos obsessivos e vários outros hábitos nocivos. Um hábito não pode ser erradicado mas pode ser substituído.

Digamos que você quer parar de comer fora de hora no trabalho. A recompensa que está buscando e matar sua fome ou interromper o tédio? Se você identificar as deixas e recompensas, pode alterar a rotina. Por exemplo:

Vamos supor que todos os dias você pare seu trabalho e vá comer alguma guloseima. Comece observando o horário que isso mais acontece. Normalmente é sempre no mesmo horário. Depois, tente substituir essa guloseima por alguma coisa mais saudável, como fruta seca ou um iogurte. Perceba se a vontade de comer passa ou diminui. Perceba se você levanta da mesa realmente para comer ou essa é uma desculpa para dar uma volta, espairecer e conversar um pouco. Talvez essa quebra de rotina seja apenas uma necessidade de descansar os olhos e essa é a sua verdadeira recompensa. Identificando a deixa e a recompensa, está a um passo de implantar um novo hábito. Se você percebe que realmente tem simplesmente fome, pode substituir a guloseima por algo saudável e notará que, por exemplo, vai perder peso. Essa será sua recompensa.

Esse é um pedacinho do que fala na primeira parte do livro. A segunda parte fala sobre hábitos de empresas bem sucedidas e a terceira parte examina hábitos de sociedade e são igualmente interessantes. Todos os capítulos giram em torno de um argumento central: Hábitos podem ser mudados, se entendermos como eles funcionam.

Substituir hábitos nocivos por saudáveis e construtivos é um passo fundamental no caminho da construção de uma nova vida, aquela que desejamos ser. Então mãos a obra! Se observe. Identifique os maus hábitos, as deixas e as recompensas. Entenda como você funciona. Vale anotar em um caderninho e fazer um pequeno diário, assim vai entender sua rotina e terá registrado os progressos. Boa sorte e boa leitura!

 

 

 

 

Acredite em Você, por Robson Shiba

Acredite em Você, por Robson Shiba

É sempre bom ouvir quem venceu o caminho das pedras e mudou sua própria vida.

Essa palestra foi feita pelo empreendedor e  fundador do China in, Box Robson Shiba e vale muito os 30 minutos de duração.

Imagem de Amostra do You Tube

Palestra Day1 por Endeavor Brasil – Conheça mais sobre a Endeavor aqui, organização de fomento ao empreendedorismo que “bota pra fazer”, como eles mesmo dizem. O site tem muita muita coisa, vídeos, e é um centro de informações para empreendedores.

 

Livro: O Poder do Hábito – Parte 1

Do autor Charles Duhigg, o livro baseado em centenas de estudos acadêmicos, explica como os hábitos determinam, na maioria das vezes sem nem nos darmos contas, as nossas escolhas. E numa cadeia de cartas, as pequenas atitudes acabam por influenciar como passamos nossos dias, e um dia após o outro, como um hábito “errado” pode prejudicar uma vida inteira. O livro é dividido em três partes. A primeira, e onde vamos nos concentrar é sobre os hábitos individuais. As outras duas partes mas igualmente interessantes são respectivamente sobre hábitos nas empresas e na sociedade

E como é difícil mudar um hábito! Há meses que me debato com a tarefa de aproveitar meu dia de maneira mais produtiva. Acordar um pouco mais cedo, dormir um pouco mais tarde, estudar na hora do almoço… Nesse aspecto nem todos os dias são bons. Há dias em que existe uma sensação de fracasso completo. Mas quando olho para trás, me orgulho dos progressos feitos.

Acho que o X da questão é, como sempre, não desanimar. E a melhor maneira de fazer isso é lembrando-me todos os dias, várias vezes por dia dos meus objetivos.

Livro O Poder do Hábito

Livro O Poder do Hábito

Minhas impressões e trechos que achei interessantes:

O autor faz sua introdução contando-nos sobre Lisa e como ela mudou sua vida. Ela estava participando de um estudo e o objetivo dos pesquisadores era descobrir como os hábitos funcionam num nível neurológico  e o que é necessário fazer para mudá-los. Todos os participantes da pesquisa tinham em comum o fato de terem reconstruído suas vidas em períodos relativamentes curtos.

Lisa contou que um dia seu marido chegara do trabalho e pediu o divórcio porque estava apaixonado por outra mulher. Ela teve a fase de luto e de perseguir a nova namorada do ex, até apareceu bêbada na casa dela ameaçando queimar todo o prédio. Nessa fase ela decidiu conhecer o Egito, que sempre sonhara. Na sua primeira manhã no Cairo, ao acordar ela percebeu que tentava acender uma caneta no lugar de um cigarro. Pensou em como odiava sua vida inteira. Ela sabia que precisava de um novo objetivo na sua vida, algum motivo para viver. Prometeu a si mesma voltar ao Egito dentro de um ano e faria uma trilha pelo deserto.

Ela estava desempregada, com excesso de peso e sem saúde para a empreitada. Sequer sabia se era possível fazer essa trilha. Nada disso importava. Ela só queria um objetivo. Teria que fazer sacrifícios e principalmente, teria que parar de fumar.  A convicção de que ela precisava para de fumar para concluir seu novo objetivo desencadeou uma série de mudanças que se refletiu em toda a sua vida. Onze meses depois Lisa fez sua viagem. Mais que isso. Ela começou a correr, organizou suas finanças, voltou a estudar, comprou uma casa e ficou noiva. Quando o cérebro de Lisa começou a ser estudado, descobriu-se algo sensacional: um conjunto de novos padrões neurológicos. Os antigos hábitos foram suplantados por novos padrões.  Ainda existia atividade neural dos seus antigos comportamentos mas esses impulsos foram anulados por novos desejos. Quando Lisa mudou seus hábitos, seu cérebro também mudou.

Todos os participantes do programa tiveram um processo semelhante – Tinham como foco mudar a princípio um hábito e como uma decisão acaba tornando-se um hábito automático.

A maioria das escolhas que fazemos todos os dias (hora de acordar e de comer, caminho para o trabalho,restaurante e a companhia do almoço, etc), podem parecer decisões mas são hábitos. Você não para e pensa se vai escolher amarrar primeiro o calçado esquerdo ou o direito. Isso é um hábito. Embora cada hábito possa parecer insignificante, pequenas ações repetidas dia após dia, ao longo de anos, tem um grande impacto em nossas vidas. Um hábito pode ser um benefício ou uma maldição (como não conseguir para de ver TV e ir estudar).

“Toda a nossa vida, na medida em que tem forma definida, não é nada além de uma massa de hábitos” – William James, 1892

Entendendo como paramos de fazer escolhas conscientes e o comportamento torna-se um hábito, podemos reconstruir esses padrões como desejarmos. Transformar um hábito não é fácil nem rápido. Nem sempre é simples. Mas é possível.

Pesquisadores do MIT descobriram, através de testes em ratos, descobriram que a atividade mental diminui quando  uma atividade é feita repetidamente após alguns dias. Os ganglios basais, no interior da cabeça, são os responsáveis por “armazenar” os hábitos, que segundo os cientistas surgem porque o cérebro encontra meios de poupar esforços.

“Os hábitos não são inevitáveis. Quando um hábito surge, o cérebro para de participar totalmente da tomada de decisões para diminuir o esforço ou concentrar em outras tarefa. A não ser que você deliberadamente lute contra um hábito – que encontre novas rotinas – , o padrão irá se desenrolar automaticamente.”

 ” Os hábitos nunca desaparecem de fato. Estão codificados nas estruturas do nosso cérebro, e essa é uma enorme vantagem para nós. O problema é que nosso cérebro não sabe a diferença entre hábitos bons e ruins, e por isso, se você tem um hábito ruim, ele está sempre ali à espreita. Uma vez que adquirimos um hábito ele está sempre em nossa cabeça, e por isso é tão difícil mudar. No entanto podemos forçar novos hábitos que vão deixar os antigos em segundo plano”

Uma boa leitura

E como implantar um novo hábito? Leia aqui no segundo post sobre o livro O Poder do hábito

 

 

Professor Pachecão

Algumas pessoas tem o incrível dom de encantar e motivar outras. O professor Pachecão deve ser assim. Deve ser porque eu nunca fui sua aluna ou participei de uma de suas palestras mas uma pessoas que presta vestibular 13 vezes, fica 6 meses desempregada na capital da selva de pedra e acaba sendo nacionalmente conhecido por ser professor deve ser alguém especial. À ele é atribuído o título de criador da “aula show”. Participou de diversos programas na TV como Brasil Legal, Programa do Jô, Programa Livre, Faustão e muitos outros. Ele foi até professor no extinto seriado Sandy & Junior. Gravou 2 CDs pela Polygram com músicas que fizeram sua fama, ensinado física.

Atualmente o Professor Pachecão é palestrante motivacional e em seu site palestrasmotivacionais10.com.br o professor é assim descrito:

“Mineiro, natural de Laranjal, José Inácio da Silva Pereira, o Professor Pachecão, é sinônimo de alegria, criatividade, e irreverência. Engenheiro mecânico, com pós-graduação em gestão de negócios pela UFMG, Gestão ambiental e desenvolvimento sustentável pela FGV.Em mais de vinte anos de dedicação ao ensino, Pachecão é o precursor do estilo “aula show”, que mudou sobremaneira o processo de ensino no Brasil. Pachecão foi professor de cursinho em São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Salvador e Joinville e lecionou Física para aproximadamente 250 mil jovens durante 25 anos. Como Professor ele exerceu as funções de pai, terapeuta, conselheiro matrimonial, disciplinador, Sargento, psicólogo, diplomata, padre, juiz, cantor, showman, dançarino, striper e vidente. O número de aulas dadas superou a marca de 70 mil e foram ministradas nos períodos da manhã, tarde e noite, fins de semana e feriados. Há mais de 10 anos ele percorre o Brasil ministrando Palestras Motivacionais, onde ele conta suas experiências e mostra que o segredo do sucesso é entender de gente, gostar de gente e ter paciência com gente.”

Nessa entrevista ao DNA, o professor Pachecão dá um lindo exemplo de como uma pessoa, deixando todo clichê de lado, é senhora de seu próprio destino.

Imagem de Amostra do You Tube

Boas inspirações!

 

Seja a mudança que você quer ver no mundo!

Curtinhas

"Fazer ou não fazer, nunca tentar" Mestre Yoda